Mensagens incorretas sobre leitos de terapia intensiva gratuitos

Quase 8.000 leitos de terapia intensiva ainda estão registrados como disponíveis na Alemanha. Mas os especialistas duvidam do número

De acordo com a Associação Interdisciplinar Alemã de Terapia Intensiva e Medicina de Emergência (DIVI), as informações fornecidas pelas clínicas sobre o número de leitos de terapia intensiva utilizáveis ​​nem sempre são corretas. Indicações e amostras mostraram que às vezes as camas são relatadas como gratuitas para as quais não há pessoal de enfermagem disponível, disse o presidente da DIVI, Uwe Janssens, da Agência de Imprensa Alemã. A extensão dos relatórios incorretos não é clara. Desde a primavera, os hospitais são obrigados a relatar o número de leitos de terapia intensiva utilizáveis ​​ao DIVI diariamente. O número de leitos para os quais há número suficiente de profissionais de terapia intensiva disponíveis para cuidados e tratamento conta expressamente.

Janssens quer falar com o ministro federal da Saúde, Jens Spahn (CDU) e vários especialistas sobre como proceder na pandemia corona na terça-feira (12h30) em Berlim. Representantes do Instituto Robert Koch (RKI) e dos laboratórios de teste corona também são esperados. No início do bloqueio parcial decidido pelos governos federal e estadual na segunda-feira, Spahn já havia deixado claro que se tratava de um “esforço nacional”. O objetivo é também evitar a sobrecarga dos hospitais.

Clínicas atualmente em operação regular

No momento, as clínicas ainda funcionavam normalmente, ao contrário da onda de infecções na primavera, disse Janssens. No entanto, algumas clínicas aparentemente relataram o número de leitos de terapia intensiva como se eles já tivessem sido retirados do funcionamento normal. Intervenções que podem ser facilmente realizadas posteriormente seriam adiadas - e mais profissionais de terapia intensiva, por exemplo, de anestésicos, estariam disponíveis. "Não temos essa condição no momento."

Os Verdes pediram contra-medidas rápidas contra a escassez iminente de pessoal de enfermagem. "As camas não cuidam das pessoas - especialmente em uma unidade de terapia intensiva", disse o político verde Kordula Schulz-Asche, da dpa. É chegada a hora de garantir que a situação do pessoal nas unidades de terapia intensiva não se transforme no “Waterloo do combate às pandemias”. Os esforços da primavera para formar uma reserva de emergência teriam que ser retomados. Conceitos de delegação também são necessários para que os profissionais de terapia intensiva possam ser apoiados por equipes de enfermagem experientes.

Número de leitos livres indicado muito alto

A Fundação Alemã para a Proteção do Paciente havia anteriormente expressado dúvidas de que as clínicas realmente relatassem apenas leitos que poderiam ser ocupados. “A demanda e a realidade divergem”, disse o membro do conselho Eugen Brysch, da dpa. Portanto, é de se temer que as clínicas relatem como ocupação um número notável de leitos, para os quais, na verdade, não haveria equipe de enfermagem disponível.

O próprio DIVI não tem função de controle. Em vez disso, os estados federais teriam que fazer seu trabalho para verificar a disponibilidade real, exigiu Brysch. As violações teriam que ser punidas. Ele vê uma possível razão para relatórios falsos das clínicas de que leitos vazios podem significar uma vantagem financeira nas negociações e que seu número é, portanto, muito alto. Até setembro, por exemplo, existiam pagamentos à vista para leitos mantidos livres, essa regulamentação poderia ser reintroduzida.

O número de pacientes corona em unidades de terapia intensiva está aumentando

O número de casos de Covid-19 tratados em terapia intensiva quase triplicou nas últimas duas semanas, de 851 pacientes (19 de outubro) para 2.243 pacientes (2 de novembro), como mostram os dados do DIVI. A alta anterior foi de 2.933 em 18 de abril. Naquela época, cerca de 3.400 dos leitos das clínicas foram relatados como vagos. Em 2 de novembro, o DIVI registrou quase 7.900 leitos de terapia intensiva que ainda poderiam ser ocupados.

Foi comprovado que um total de 560 379 pessoas na Alemanha foram infectadas com Sars-CoV-2 desde o início da crise Corona, conforme o RKI relatou na manhã de terça-feira (dados atualizados em 3 de novembro, 00:00). Mais recentemente, as autoridades de saúde na Alemanha relataram 15.352 novas infecções corona ao Instituto Robert Koch (RKI) em um dia. Com 19.059 novas infecções, um novo máximo foi alcançado no sábado desde o início da pandemia corona na Alemanha.